segunda-feira, novembro 09, 2009

Jejuno

Engoli a inveja que você me doeu
Embebida em soluços de fúria
Violentei o estômago do peito
A decompor meu sorriso ao meio

Num amarelo podre entre dentes
Falsifiquei um desprezo eloquente
Entrementes cravando minhas mordidas
Como a que ele me deu enquanto distraída

Pois é, fui mordida
Abocanhada
Dilacerada
Ferida

Com um chá de reflexão acabei com a indigestão.

2 comentários:

Michael Meneses! disse...

Você de fato tem talento para poesia.

Vou indicar você para uma amiga que organiza eventos de poesia há 15 anos pelo suburbio.

Beijos

Nádia disse...

Sabia que no vento, na chuva ou no sol...vc já é um EVENTO? bjs