segunda-feira, setembro 26, 2011

Acabou o silêncio

O silêncio que flutua
Em suas neblinas
Está trancado
Dentro do calabouço
De suas rimas

Fecha o cerco
Feito o vazio
Dessa ausência indizível
Intocada pelos anos
Que você fingiu não ver

É hora de abraçar o grito
De livrar se desse vício
Que é não se ter

Por inteiro
Partido ao meio
Por dentro

Merecer por direito
O que é o ser

O dia seguinte
É apenas uma esquina
O fim da linha
Uma quina no peito
Que não tem mais atalhos
Somente buracos

E fachadas
De cortinas fechadas
A serem abertas
Ao amanhecer

Cheiro de ruído
Barulho de vidro
Orvalho ressequido
E traçado esquecido.

Um comentário:

Yousseph Igor disse...

Adorei o que eu li aqui muito bom seus blogs e seus poemas,são dotados de um lirismo que só uma mulher é capaz de transcrever,como um abismo de aguas e sal, um oceano universal de feminilidade que nos faz querer naufragar e afogar-se em cada maré...