quarta-feira, dezembro 09, 2009

Cegueira

Ninguém disse o que seria do futuro,
Agora presente nas loucuras de outro jeito,
Direito do sujeito dele, do meu nosso.
Tem dança de sorrisos e rosto colado,
Nos olhos fechados em beijos sem compromisso,
Selado por surpresas de esperanças já abandonadas
Que deslumbra todo o pesar,
Escrito e perdido nas linhas da mão.
Como era, se foi, e como é, está sendo
O indo do haver que irá fora de cartas e predições.
O brilho está no olhar de cada estrela
Que cintila cada destino a que caminhamos
De mãos dadas, entrelaçadas pelo que a paixão cativou,
No passado presente em dúvida e do futuro que já o sou.
Até que uma estrela morra, não percamos nossa direção.

3 comentários:

Vicky. disse...

Texto e blog muito belos. =)
'Como vai ser, será...'

jefhcardoso disse...

Olá! Com licença; deixe que me apresente: sou Jeferson, um homem comum que gosta de escrever. Quando tenho um tempo saio vadio em visitas a blogs, seguindo a seta que aparece no auto da pagina inicial (próximo blog>>). Posso afirmar que é uma experiência “deliciante”.

Quando encontro um blog bem legal eu posto um comentário e deixo o convite para que conheçam o http:jefhcardoso.blogspot.com/ . Pela proposta de seu blog creio que poderá encontrar algo em minha sessão em preto e branco, que data de novembro.

Parabéns por seu blog e desculpe a intromissão.
Abraço: Jefhcardoso

Nádia disse...

E o futuro cabe na palma de sua mão...abra não...abranão! Bjs pra vc espelho