terça-feira, dezembro 01, 2009

O grito da cigarra

Verão o canto dessa cigarra
Entoado à seiva dos dias quentes
Fora da terra onde plantei minha árvore
Assistirão à ópera da gente
Nos timbres marcados no caule
Farão de larvas borboletas

Um comentário:

Nádia disse...

Cada vez que venho t visitar, fico mais cigarra e viro mais borboleta...
bjs no teu coração