terça-feira, setembro 02, 2008

Vênus vice-versa

Vésper vadia no vermelho ventre de veludo,
Veste valetes com volutas vincadas de verniz vazado,
Vaga pela vulgar vulva de sua volúpia volátil.

Virginal vacante, violenta com virtudes vigaristas,
Vaidosa pelo vago voto de vingança voraz,
Vaia vulgos vultos com vozes de vidro,
Velada por vesanas vacinas violeta.

Viola viandantes virilhas volúveis
Vociferando volume vivaz de vômito vurmoso,
Vexando veteranas víboras que valsam com valentes,
Vinagres vazios de vinho e vodca,
Viciados na vassalagem do veneno vosso,
Vira-casacas velhacos de velório da veracidade.

Vangloria vil vácuo do vivo vigor,

Veste vôo ao vértice da vazia vertigem da volta .

Vulnera o vário vento da vírgula entre vaga-lumes.

Varre véu vernal a você em vezo e vaga.

Um comentário:

Ancalimon disse...

Você tem diante de si. Um humilde
veterano de guerra.
Vitimador e vítima da derrota.
Meu único nome é vingança.
Sem trabalhar em vão,
pelo valor e pela força
que um dia reivindicarão os virtuosos.
Pode chamar-me apenas "V".